Cripto 101: Como fazer DYOR

Se você estiver no espaço criptográfico por um minuto, provavelmente será instruído a ‘fazer sua própria pesquisa’. Aqui estão os quatro passos do DYOR.

Nov 14, 2022
|

Dyor Opt

Principais conclusões:

Observe estas quatro dimensões quando fizer a sua própria investigação sobre um projeto de criptomoedas:

  • A equipa: Está equilibrada para o projeto? A equipa está envolvida no jogo e reage se o contactar?
  • Tokenomics: Qual é a utilidade do token, a capitalização de mercado, o volume e a liquidez? Está previsto um regime de vesting/lock-up?
  • Inovação: Que problema é resolvido? Qual é a vantagem do projeto em relação aos seus concorrentes e aos projectos existentes? Qual é o aspeto do roteiro e se está a cumprir os objectivos?
  • Social: Os seus canais oficiais têm níveis de atividade saudáveis e uma comunidade simpática e acolhedora?

O DYOR requer tempo, mas vale a pena descobrir as jóias, os potenciais airdrops e os riscos antes de tomar decisões de compra.

O que é o DYOR?

Se já esteve no espaço criptográfico, nem que seja por um minuto, de certeza que já ouviu o seguinte conselho: DYOR, abreviatura de “faça a sua própria investigação”. É normalmente utilizado para lembrar aos participantes no mercado que devem examinar um projeto antes de tomarem decisões de compra.

Aqui, detalhamos quatro fatores básicos a serem considerados ao procurar comprar uma moeda, token, NFT ou qualquer outra participação em um projeto de criptografia.

Fator 1: A equipa

Descubra quem é a equipa por detrás de um símbolo ou projeto. O ponto de partida deve ser o sítio Web e o livro branco da empresa. Uma criptomoeda sem um livro branco pode ser considerada uma bandeira vermelha.

Analisar melhor a equipa: Qual é a dimensão da equipa? Um projeto muito pequeno, com apenas duas ou três pessoas a bordo, pode implicar o risco de o projeto se desmoronar se um membro da equipa se demitir. Além disso, se toda a gente na empresa for um executivo de nível C, isso não corresponde necessariamente à sua experiência, uma vez que é provável que haja inflação de títulos.

A equipa tem experiência relevante em cadeias de blocos, Web3, finanças, ciências informáticas ou disciplinas relacionadas? A equipa é equilibrada e tem as competências necessárias para executar o projeto com êxito?

A equipa tem ligações à indústria ou parceiros conhecidos que demonstram a sua experiência no terreno? Se não estiver indicado no seu sítio Web, uma pesquisa no Google ou no LinkedIn pode revelá-lo.

O que nos leva a outro ponto: a equipa é vítima de doxxing (ou seja, revela a sua identidade)? Uma equipa completamente anónima tem muito pouco a perder se os seus projectos falharem ou forem uma fraude. No entanto, os membros da equipa não precisam necessariamente de divulgar a sua identidade no mundo real. Se ligarem uma identidade Web3 bem conhecida que, por exemplo, tenha muitos seguidores ou esteja envolvida noutros tokens ou drops, têm, até certo ponto, alguma pele no jogo e um interesse concreto no sucesso do projeto.

Por fim, contacte-os para colocar questões (por exemplo, no Twitter ou no Discord). Se derem uma resposta séria, isso pode ser um bom sinal.

Fator 2: Tokenomics

O termo “tokenomics” é o portmanteau de “token” e “economics”, que agrupa uma série de factores que afectam e são afectados pela oferta e procura de um determinado token. A tokenomics tornou-se uma área de estudo que é mais do que apenas para os especuladores apostarem no preço de um token; pelo contrário, é uma consideração importante que a maioria dos projectos de criptografia tem em conta quando procura determinar a viabilidade sustentável a longo prazo.

Eis as principais métricas que tendem a ser consideradas para construir um perfil tokenómico:

  • Fornecimento de fichas – Quantas moedas ou fichas estão disponíveis no total?
  • Tácticas de emissão – Por exemplo, haverá queimas de tokens, que as retiram novamente do mercado?
  • Atribuição e distribuição – Trata-se de um lançamento aberto e justo ou de uma pré-mint fechada, acessível apenas a um grupo selecionado? A ficha está centralizada nas mãos de um pequeno número de detentores?
  • Horários de aquisição/armazenamento – A equipa detém uma grande parte do fornecimento de fichas que pode chegar ao mercado numa data de aquisição fixa?
  • Utilidade do token – Qual é a utilização deste token (por exemplo, uma moeda de governação ou de utilidade com uma função específica, ou uma moeda meme)?
  • Capitalização bolsista – Qual é a capitalização bolsista comparada com a dos concorrentes?
  • Volume & Trocas – Em que volume é que esta criptomoeda é transaccionada e qual a sua liquidez?

Para saber mais sobre como calcular o perfil de risco de um projeto com tokenomics, consulte o nosso artigo sobre validação de tokens.

Fator 3: Inovação

A inovação é o terceiro fator a considerar. Este projeto está a resolver um problema que ainda não tem solução ou é redundante?

Por outras palavras, a tecnologia é necessária, é nova e o projeto já tem concorrentes? Em caso afirmativo, quantos? Qual é a sua vantagem competitiva em relação a outros projectos que oferecem uma solução semelhante? E quais são os pontos fracos?

Analise atentamente o roteiro do projeto: O que está a chegar e quando? Tem atingido os seus objectivos? A falta de um roteiro pode ser vista como uma bandeira vermelha. Os projectos bem geridos neste espaço costumam atualizar os seus seguidores de forma regular e transparente sobre todas as etapas.

Os utilizadores avançados do espaço criptográfico podem até pensar um pouco mais e tentar prever o efeito de onda que a inovação de um projeto pode ter se for implementada com sucesso. Pense também em dedicar alguns minutos a refletir sobre os riscos deste projeto: O que é que o pode fazer falhar? E o que é que a equipa não nos está a dizer?

O que torna um NFT popular? Leia estes quatro factores antes de decidir sobre a sua próxima coleção.

Fator 4: Social

As redes sociais e a interação são a última dimensão que analisamos neste artigo. A forma como o projeto e a sua comunidade se apresentam em público pode dar uma ideia do estado do projeto.

Por exemplo, tenha em atenção o seguinte:

Têm canais oficiais (por exemplo, Twitter, Discord ou GitHub)? Qual a atualidade e a frequência das actualizações e se os canais são bem mantidos?

Veja a dimensão da comunidade, tanto em termos de seguidores como de envolvimento: Quantos utilizadores estão a falar sobre o projeto, a utilizar o seu hashtag ou a marcá-lo?

Qual é o sentimento geral da comunidade nos grupos e nos canais? Transmite uma atmosfera amigável, com discussões saudáveis, equilibradas e objectivas? Ou será que a maioria dos membros da comunidade só fala do preço das fichas, talvez como ” shillers ” pagos (promotores de fichas)?

Resumindo, as bandeiras vermelhas incluem canais abandonados, shillers e uma comunidade tóxica que só fala de “rapid mooning” e Lambos – e não participa em discussões abertas, críticas construtivas ou perguntas baseadas em factos.

Porquê DYOR? Parece muito trabalhoso

Recapitulemos as quatro dimensões de DYOR que já discutimos:

A equipa: Está equilibrada para o projeto? A equipa está envolvida no jogo e reage quando é contactada?

Tokenomics: Qual é a utilidade do token, a capitalização de mercado, o volume e a liquidez? Está previsto um regime de vesting/lock-up?

Inovação: Que problema é resolvido? Qual é a vantagem do projeto em relação aos seus concorrentes e aos projectos existentes? Qual é o aspeto do roteiro e se o projeto está a cumprir as metas?

Social: Os canais oficiais do projeto apresentam níveis de atividade saudáveis e uma comunidade simpática e acolhedora?

Parece ser muito trabalhoso pesquisar um projeto em pormenor. Então, porquê fazê-lo? Temos algumas boas razões:

Aprender sobre o espaço: Quanto mais DYOR tiver, mais apurados serão os seus sentidos.

Compreender os riscos: Antes de comprar um token ou um NFT, analise bem o destino do seu dinheiro.

Descobrir jóias: Esta é a principal aspiração de muitos dos que trabalham no espaço DYOR. Esperam descobrir projectos viáveis e inovadores numa fase precoce.

Receber airdrops: Apoiar um projeto numa fase inicial pode, por vezes, ser recompensado com airdrops.

Combater o tédio dos mercados em baixa: O movimento é mais lento num mercado em baixa, pelo que muitos utilizam este período para se educarem.

Aprenda as melhores estratégias para sobreviver a um mercado em baixa.

Due Diligence e DYOR

Todos os exemplos apresentados neste artigo têm um carácter meramente informativo. O utilizador não deve interpretar essas informações ou outros materiais como aconselhamento jurídico, fiscal, de investimento, financeiro ou outro. Nada aqui contido constituirá uma solicitação, recomendação, endosso ou oferta da Crypto.com para investir, comprar ou vender quaisquer moedas, tokens ou outros activos criptográficos. Os rendimentos da compra e venda de activos criptográficos podem estar sujeitos a impostos, incluindo o imposto sobre mais-valias, na sua jurisdição. Quaisquer descrições dos produtos ou características da Crypto.com são meramente para fins ilustrativos e não constituem um endosso, convite ou solicitação.

O desempenho passado não é uma garantia ou um indicador do desempenho futuro. O valor dos activos criptográficos pode aumentar ou diminuir, e pode perder a totalidade ou um montante substancial do seu preço de compra. Ao avaliar um ativo criptográfico, é essencial que faça a sua investigação e a devida diligência para fazer o melhor julgamento possível, uma vez que quaisquer compras serão da sua exclusiva responsabilidade.

Tags

Crypto101

DYOR

Partilhar com amigos

Pronto para iniciar a sua jornada com a crypto?

Obtenha o seu guia passo-a-passo para criar uma conta na Crypto.com

Ao clicar no botão Começar, reconhece ter lido a Aviso de Privacidade do Crypto.com onde explicamos como utilizamos e protegemos os seus dados pessoais.
Mobile phone screen displaying total balance with Crypto.com App

Common Keywords: 

Ethereum / Dogecoin / Dapp / Tokens