O que é a Web3? Um guia completo

O que é a Web3 e quais são as suas diferenças em relação à Web2 e à Web1? Aqui, analisamos a história da Web e a sua visão de um futuro descentralizado.

Aug 17, 2022
|

Web3 Opt 1

Principais conclusões

  • A Web1 (1989-2004), também designada por “Web estática”, era “só de leitura” e descentralizada
  • A Web2 (2005-presente) é interactiva mas centralizada
  • A Web3 (o futuro) será mais humana, com um regresso à estrutura descentralizada original, mas com melhorias na privacidade e segurança dos dados

A evolução da Web

A Internet evoluiu muito desde a sua criação em 1989. A sua evolução histórica, atual e projectada é geralmente dividida em três fases distintas: Web1, Web2 e Web3.

A primeira iteração (Web1), constituída principalmente por páginas Web estáticas de carácter puramente informativo, durou aproximadamente de 1989 a 2004. Seguiu-se a Web2, muito mais interactiva e fácil de utilizar – dominada por plataformas centralizadas como o Facebook, o Twitter e o YouTube – que é a versão atual da Internet. A Web3 representa a próxima geração da Internet, que está a ser muito falada.

O conceito de Web3 começou a ganhar força em 2021 graças, em grande parte, à proliferação de tecnologias em evolução como a blockchain. Por vezes referida como a “Web descentralizada”, a Web3 tem como objetivo resolver muitas das deficiências associadas à Web2, particularmente as relacionadas com a privacidade, a segurança e a centralização. Apesar de ainda estar a dar os primeiros passos, a Web3 dependerá fortemente de protocolos descentralizados para fazer recuar a escala do poder para os utilizadores.

Aqui, aprofundamos cada fase da Web, desde as suas diferenças até aos desafios únicos que enfrentam.

Evo da Web

Web1

A Web1 refere-se geralmente à primeira fase da evolução da Internet. Era a Internet, tal como a conhecemos, e o que deu origem ao boom das dot-com. Ao contrário da Web atual, que é altamente interactiva, a Web1 era bastante passiva e consistia apenas em ler e consumir informação. É por esta razão que é por vezes referida como a Web “só de leitura”.

Web1 em resumo

  • Descentralizado
  • Os sítios Web eram meramente informativos
  • Facilitou a comunicação unidirecional da rede para os utilizadores
  • Sites com conteúdo estático em vez de HTML dinâmico
  • Em grande parte composto por páginas Web unidas por hiperligações
  • Páginas construídas utilizando server side includes (SSI) ou common gateway interface (CGI)
  • Exemplos de Web1 incluem: AOL, Yahoo!, Craigslist, Ask Jeeves e WebMD

O que era a Web1?

Esta primeira iteração durou aproximadamente de 1989 a 2004. Foi inventada pelo cientista informático britânico Sir Tim Berners-Lee e conhecida como World Wide Web (WWW). Como forma muito rudimentar da Internet, a Web1 era essencialmente um diretório de informações estáticas com hiperligações, sem folhas de estilo em cascata(CSS).

Os sítios Web eram construídos utilizando Server Side Includes (SSI) ou Common Gateway Interface (CGI), e eram alojados em servidores Web geridos por fornecedores de serviços Internet (ISP) ou serviços gratuitos de alojamento Web. Ao contrário do que estamos habituados hoje em dia, as informações e os produtos na Web1 eram simplesmente apresentados (tal como num catálogo ou numa brochura), sem qualquer oportunidade para os utilizadores interagirem (gostar/partilhar/comentar) ou contribuírem. Apenas um pequeno número de pessoas criou conteúdos, sendo a maioria dos participantes consumidores passivos.

Web2

Enquanto a Web1 tinha como objetivo o acesso à informação, a Web2 tem como objetivo a criação e a contribuição. Tornou-se a base para a comercialização da Internet e foi durante esta fase que o comércio eletrónico, as redes sociais e as plataformas de comunicação virtual se desenvolveram.

Por vezes designada por Web participativa (ou participativa), Web social ou Web de “leitura/escrita”, esta segunda geração de serviços Web centra-se fortemente na interação, interoperabilidade e conetividade. É a versão da Internet que conhecemos atualmente e é largamente impulsionada pelo advento do telemóvel, das redes sociais e da nuvem.

Web2 em resumo

  • Centralizado
  • Conteúdo responsivo e dinâmico
  • Utilização generalizada na sociedade
  • Baseado na interação com tecnologias como AJAX, Javascript, HTML5 e CSS3
  • Elevados níveis de participação dos utilizadores e de conteúdos gerados pelos utilizadores
  • Interoperabilidade entre diferentes serviços
  • Melhoria da usabilidade para os utilizadores finais
  • Comunicação sem falhas
  • Dominado por empresas que prestam serviços em troca de dados pessoais
  • Exemplos de Web2 incluem: Instagram, YouTube, Facebook e Google Maps
  • As aplicações incluem redes sociais, blogues, votação, marcação, bookmarking social e podcasting

O que é a Web2?

O termo Web2 foi popularizado por Tim O’Reilly e Dale Dougherty na primeira Conferência O’Reilly Media Web 2.0, no final de 2004. Mais fácil de utilizar e dinâmica do que a Web original, a Web2 inaugurou a era dos conteúdos gerados pelo utilizador, mudando para sempre a forma como interagimos.

Após o lançamento, e pela primeira vez, qualquer pessoa com acesso à Internet podia participar e trocar conhecimentos, ideias e experiências em plataformas como a Wikipédia, o MySpace e o WordPress. Podem gerir empresas inteiras no Etsy e no Depop, publicar críticas na Amazon e no TripAdvisor ou imagens no Flickr ou no Pinterest, carregar vídeos no YouTube e promover casas no Airbnb – a lista é interminável.

As empresas também beneficiaram. O aumento da conetividade facilitou uma melhor interação e comunicação entre as organizações e os seus clientes, conduzindo a uma maior satisfação dos clientes e a um aumento das receitas. Diminuiu também o tempo de colocação dos produtos no mercado, reduzindo simultaneamente os custos de comunicação, deslocações e operações. O marketing tornou-se mais direcionado e mensurável do que nunca, e o acesso ao conhecimento da concorrência fora de uma organização está apenas à distância de um clique.

Mas todo este poder e acesso têm sido acompanhados de contrapartidas – mais notoriamente à custa da privacidade pessoal dos utilizadores.

Problemas da Web2

Estas plataformas de que todos nós dependemos (tanto a nível pessoal como profissional) estão centralizadas em servidores pertencentes a um pequeno número de grandes empresas. Isto significa que uma enorme quantidade de poder e controlo está concentrada nas mãos de apenas alguns – um facto que tem suscitado muita preocupação nos últimos anos.

Este poder pode afetar a privacidade dos utilizadores. Os utilizadores acabam por “pagar” para utilizar estas plataformas, cedendo os direitos sobre os dados pessoais. Tudo, desde o nome, data de nascimento e endereço IP até ao dispositivo, histórico de navegação e hábitos de compra, pode ser recolhido, armazenado e depois vendido aos anunciantes – muitas vezes sem que o utilizador tenha consciência disso.

Porquê? Porque os pontos de dados fornecem informações de marketing importantes que as empresas podem utilizar e lucrar: Em 2021, o Facebook (Meta) embolsou uns impressionantes 114,93 mil milhões de dólares em receitas de publicidade, com o Google a quase duplicar esse valor para 209,5 mil milhões de dólares, de acordo com o Statista.

Em suma, enquanto na Web1 os utilizadores eram os consumidores, há quem diga que na Web2 eles são o produto.

Os utilizadores como produto

Além disso, os utilizadores destas plataformas também podem ser censurados e desplanejados. Se um utilizador publicar uma imagem ou um comentário com o qual a plataforma não concorde, corre o risco de ser removido ou – em alguns casos – de ver a sua conta encerrada indefinidamente. E esta proibição não se aplicaria necessariamente apenas a essa plataforma, mas potencialmente a todas as outras plataformas que uma empresa-mãe controla.

Então, porque é que os utilizadores não abandonam estas plataformas? Porque, durante muito tempo, não havia muitas opções. Tal como já foi referido, a tecnologia é atualmente dominada por apenas um punhado de empresas (pense-se na Alphabet [Google], Meta, Amazon, Apple). Sugere-se que o seu incrível acesso aos dados, aliado a recursos quase infinitos, confere a estes gigantes uma vantagem injusta sobre a concorrência, tornando quase impossível às pequenas empresas conseguirem um lugar.

Estas empresas criaram ecossistemas fechados – conhecidos como “jardins murados” – concebidos para manter os utilizadores na sua plataforma, tornando menos conveniente a utilização de alternativas. (Os leitores interessados podem consultar este artigo sobre o ecossistema da Apple e o seu funcionamento).

É claro que um utilizador pode abandonar o Facebook por uma ou mais das razões acima referidas, mas depois pode não conseguir aceder a outras plataformas ou aplicações que exijam a integração com o Facebook. De qualquer forma, podem até fazer a transição involuntária para uma plataforma que partilhe a mesma empresa-mãe. Além disso, no caso de plataformas como o Facebook, ao abandonarem o serviço, os utilizadores perdem o acesso aos seus dados – fotografias, conversas e ligações que nem sequer sabiam que queriam manter.

No entanto, graças aos avanços da tecnologia, as coisas estão a mudar. O que nos leva à Web3.

Web3

Por vezes referida como a Web semântica, a Web3 tem tudo a ver com ler, escrever e possuir .

As preocupações generalizadas sobre a Web2 relacionadas com a extração de dados, a vigilância em linha, a manipulação de algoritmos, a exploração da publicidade e a proibição subjectiva levaram muitas pessoas a procurar plataformas alternativas. Estas alternativas tornaram-se a base da Web3, uma vez que ultrapassam os silos de conteúdos e os monopólios da Internet e se orientam para a propriedade pessoal dos dados.

Através da utilização da tecnologia blockchain e de outras tecnologias relacionadas, a Web3 pretende retirar o poder às empresas tecnológicas gigantes e colocá-lo de novo nas mãos dos utilizadores, para que estes possam ser donos da sua parte na Web, em vez de serem apenas utilizadores ou consumidores.

Web3 em resumo

Embora ainda seja um trabalho em curso, a Web3 engloba algumas ideologias que a maioria concorda que constituem a sua espinha dorsal:

  • Descentralizado
  • Sem confiança e sem permissão
  • Sem censura
  • Autoadministração
  • Níveis mais elevados de privacidade e segurança
  • Mais controlo do utilizador
  • Sem silos
  • Melhoria da legibilidade nos motores de busca
  • Pagamentos integrados nativos

O que é a Web3?

O conceito de Web3 foi introduzido pela primeira vez por Berners-Lee num artigo publicado em 2001 na Scientific American, onde identificou uma lacuna de comunicação gritante entre os seres humanos e as aplicações informáticas. As máquinas, reconheceu, não eram capazes de processar a semântica da linguagem, o que significa que não conseguiam decifrar o significado ou o contexto dos dados. Propôs uma Web que um dia seria legível por humanos e máquinas.

Embora a tecnologia ainda não tenha evoluído ao ponto de permitir que esta parte do seu conceito seja inteiramente cumprida, outros aspectos – em particular, os relacionados com a descentralização – evoluíram.

A Web3 promete utilizar tecnologias de descentralização para regressar à visão original de Berners-Lee de uma Web em que “não é necessária autorização de uma autoridade central para publicar seja o que for… não existe um nó central de controlo e, por isso, não existe um ponto único de falha… nem um ‘interrutor de eliminação'”.

Como funciona a descentralização na prática

Trata-se de uma versão da Internet que será mais inteligente, autónoma e aberta do que qualquer outra que a precedeu. Baseada na tecnologia blockchain, a Web3 pretende eliminar a necessidade de autoridades centralizadas, o que significa que os utilizadores poderão interagir com qualquer indivíduo ou máquina no mundo sem terem de depender ou confiar em intermediários terceiros. Ao contrário da Web2, em que os dados são propriedade da rede, na Web3 os dados são partilhados. Os utilizadores podem, em teoria, participar na gestão dos protocolos da Internet e (finalmente) ser proprietários dos seus dados.

As tecnologias proeminentes por detrás da Web3 incluem: inteligência artificial (IA), cadeia de blocos, aprendizagem automática (ML), realidade aumentada (AR) e gráficos 3D.

Exemplos da Web3 incluem: o protocolo descentralizado Bitcoin, a plataforma social baseada em cadeias de blocos Steemit, o mercado NFT OpenSea e as bolsas de criptomoedas como a Crypto.com.

A mudança de paradigma para a descentralização

Devolver o controlo dos dados aos utilizadores finais e afastá-lo das grandes empresas é uma componente importante desta nova versão da Web. As redes sociais descentralizadas têm como objetivo permitir que os criadores de conteúdos se relacionem com o público de uma forma peer-to-peer (P2P) e tenham a última palavra sobre os seus conteúdos, sem receio de serem censurados ou desplaneados.

Por exemplo, os tokens não fungíveis (NFT) já proporcionam aos criadores uma compensação melhor e mais equitativa, permitindo-lhes lucrar diretamente com o seu trabalho através de royalties incorporadas.

A criptomoeda desempenhará um papel importante na Web3, com os tokens a funcionarem como um incentivo financeiro para os utilizadores participarem na governação da Web. Os proprietários de tokens podem formar comunidades, conhecidas como organizações autónomas descentralizadas (DAO), e votar na forma como os fundos de uma aplicação descentralizada(dapp) são distribuídos. Os jogos baseados na cadeia de blocos, denominados jogos “jogar para ganhar” (P2E), são um excelente exemplo deste sistema em ação.

Nos jogos P2E, os jogadores são recompensados pelo seu tempo e participação com dinheiro digital ou NFTs, que podem depois ser transaccionados em bolsas descentralizadas (DEXs). Jogos como o Axie Infinity permitiram a muitos jogadores ganhar fichas para uma atividade que normalmente realizariam sem esses incentivos. Em alguns casos, como no caso do Idle Mystic, os jogadores podem participar na governação do jogo usando os seus tokens para votar numa decisão.

Além disso, as carteiras de criptomoedas eliminarão a necessidade de depender de sistemas de pagamento eletrónico centralizados e de terceiros, que exigem que os utilizadores forneçam informações sensíveis e dados pessoais. Muitos participantes neste espaço acreditam que este facto ajudará à inclusão financeira das populações não bancarizadas, uma vez que os serviços descentralizados não dependem das pontuações de crédito tradicionais.

Desafios da Web3

Existe algum debate sobre a viabilidade da Web3. Há quem questione se alguma vez poderá ser verdadeiramente descentralizado. Argumentam que a centralização é inevitável, uma vez que as pessoas e as empresas simplesmente não querem gerir os seus próprios servidores, uma vez que a manutenção de um servidor não só é dispendiosa, mas também trabalhosa e consome muita energia.

Consequentemente, para funcionar, muitos dapps dependem pelo menos tanto de servidores web centralizados tradicionais como de cadeias de blocos. De facto, a maioria dos dapps utiliza atualmente o Infura ou o Alchemy para interagir com a cadeia de blocos, que por sua vez dependem de servidores em nuvem de terceiros alojados por empresas centralizadas (como a Amazon, no caso do Infura).

Uma vez que a tecnologia blockchain é extremamente dispendiosa e consome muita energia, muitos estão preocupados com a escalabilidade e a sustentabilidade. Além disso, as velocidades de transação são consideravelmente mais lentas nos protocolos descentralizados do que nos seus homólogos centralizados e continuam a ser um obstáculo significativo à sua adoção.

E quanto à regulamentação?

Além disso, a descentralização traz consigo novas questões jurídicas e regulamentares. Se não existe uma autoridade única, então quem é responsável pelo policiamento da cibercriminalidade, do assédio e da desinformação?

Por último, há a barreira técnica à entrada. Isto vai desde a usabilidade até à segurança – ambos serão muito mais complexos para o utilizador médio navegar. É necessária uma certa dose de conhecimentos técnicos com a Web3. Os utilizadores terão de compreender e manter-se a par das informações relativas a cadeias de blocos, contratos inteligentes, carteiras, protocolos, etc., para poderem participar neste espaço em rápida evolução.

Esta curva de aprendizagem acentuada é ainda agravada pela experiência do utilizador, muitas vezes pouco satisfatória, de muitos produtos e serviços Web3, uma vez que o processo de conceção da experiência do utilizador (UX) e da interface do utilizador (UI) ocorre normalmente numa fase muito posterior do ciclo de desenvolvimento; a falta de integração nos navegadores Web modernos torna a Web3 menos acessível a muitos utilizadores.

Considerações finais

Escusado será dizer que a Web transformou a forma como o mundo interage e funciona – principalmente para melhor. Não se sabe até que ponto estamos longe da Web3, mas os seus elementos já fazem parte da nossa Internet atual. Os especialistas prevêem que, pelo menos num futuro próximo, as tecnologias da Web3 funcionarão a par da Web2 – mas não a suplantarão totalmente. Quer tenha aderido à Web3 ou não, tem de admitir que tudo isto é bastante intrigante.

Diligência devida e fazer a sua própria investigação

Todos os exemplos apresentados neste artigo têm um carácter meramente informativo. O utilizador não deve interpretar essas informações ou outros materiais como aconselhamento jurídico, fiscal, de investimento, financeiro ou outro. Nada aqui contido constituirá uma solicitação, recomendação, endosso ou oferta da Crypto.com para investir, comprar ou vender quaisquer moedas, tokens ou outros activos criptográficos. Os rendimentos da compra e venda de activos criptográficos podem estar sujeitos a impostos, incluindo o imposto sobre mais-valias, na sua jurisdição.

O desempenho passado não é uma garantia ou um indicador do desempenho futuro. O valor dos activos criptográficos pode aumentar ou diminuir, e pode perder a totalidade ou um montante substancial do seu preço de compra. Ao avaliar um ativo criptográfico, é essencial que faça a sua investigação e a devida diligência para fazer o melhor julgamento possível, uma vez que quaisquer compras serão da sua exclusiva responsabilidade.

Tags

internet

web 1.0

Web 2.0

web 3.0

Web3

Partilhar com amigos

Pronto para iniciar a sua jornada com a crypto?

Obtenha o seu guia passo-a-passo para criar uma conta na Crypto.com

Ao clicar no botão Começar, reconhece ter lido a Aviso de Privacidade do Crypto.com onde explicamos como utilizamos e protegemos os seus dados pessoais.
Mobile phone screen displaying total balance with Crypto.com App

Common Keywords: 

Ethereum / Dogecoin / Dapp / Tokens