O que é o dinheiro?

Como a economia está a criar dinheiro e qual o seu verdadeiro valor – uma leitura obrigatória para compreender o funcionamento dos mercados financeiros.

Jan 21, 2020
|

O que é o Money Otp

O que é, de facto, o dinheiro? A resposta a esta pergunta é mais complexa do que muitos esperam. Aqui, analisamos a essência da moeda e o papel que os bancos centrais e comerciais desempenham no processo de criação de moeda.

Das pedras e conchas às notas modernas, leia sobre a evolução do dinheiro em A História do Dinheiro: Da troca direta à moeda.

As três funções da moeda

Comecemos por uma consideração fundamental: Para que é que o dinheiro é utilizado?

Em geral, as três funções da moeda são:

  • Uma reserva de valor com a qual se transfere o “poder de compra” (a capacidade de adquirir bens e serviços) de hoje para uma data futura.
  • Um meio de troca com o qual se efectuam pagamentos.
  • Uma unidade de conta com a qual se mede o valor de um determinado artigo para venda.

Em alguns cenários, certos activos funcionam como reserva de valor, mas não como meio de troca ou unidade de conta (por exemplo, ouro; Bitcoin, como visto por alguns); ou como meio de troca, mas não como unidade de conta (por exemplo, comprar altcoins com USDT – onde o par de negociação direta não existe – e utilizando o BTC como par de negociação provisório).

Pode considerar-se que as funções da moeda operam numa hierarquia, tal como ilustrado na figura abaixo:

As funções do dinheiroapr 28

Há muitos activos que as pessoas consideram como reservas de valor – casas, por exemplo – que não são utilizados como meios de troca. Em comparação, um ativo só pode atuar como meio de troca se pelo menos duas pessoas (enquanto partes numa transação) estiverem dispostas a tratá-lo como reserva de valor, pelo menos temporariamente.

Por último, para que um ativo seja considerado uma unidade de conta, deve poder – em princípio, pelo menos – ser utilizado como meio de troca numa variedade de transacções entre várias pessoas. Como tal, representa uma forma de coordenação na sociedade. Por esta razão, alguns economistas consideram que a operação como unidade de conta é a caraterística mais importante da moeda. De facto, é comummente defendido que uma caraterística definidora da política monetária reside no controlo da unidade de conta pelos bancos centrais.

Criação de dinheiro

A maior parte do dinheiro que circula atualmente foi criada quando os bancos emprestaram os depósitos dos clientes, num sistema conhecido como sistema bancário de reserva fraccionada. A título de exemplo: Quando alguém deposita 100 dólares num banco, o banco normalmente empresta esse dinheiro para ganhar juros. No entanto, pode não emprestar a totalidade dos 100 dólares, uma vez que é necessário manter um determinado montante em carteira para o caso de um pedido de levantamento. Por outro lado, não precisa de deter a totalidade do montante; caso contrário, não pode emprestar.

Em geral, as autoridades monetárias impõem reservas mínimas aos bancos: Por cada dólar de depósitos num banco, uma determinada percentagem deve ser mantida como reservas. A percentagem é designada por rácio de reservas obrigatórias, que varia muito de país para país.

Agora, vamos viajar pela criação de dinheiro. Para simplificar, assumimos que o rácio de reservas obrigatórias é de 10% e que o banco não detém quaisquer reservas em excesso. Assim, para um depósito de $100, o banco mantém $10 em reservas e empresta $90. Estes 90 dólares circulam pela economia e acabam por ser depositados noutro banco. Destes 90 dólares, 9 dólares são mantidos em reservas e 81 dólares são emprestados. O processo repete-se vezes sem conta até não haver mais nada para emprestar.

O processo passo a passo da criação de moeda.

No início, apenas os 100 dólares originais existem nesta economia. Depois, o primeiro empréstimo gera mais $90 e o segundo cria mais $81. À medida que o processo se repete, eventualmente são criados $90 + $81 + $72,90 + … = $90/0,1 = $900.

Assim, existem agora $1.000 em activos nesta economia, dos quais $100 são originalmente dinheiro e $900 são criados a partir de dívida. Equivalentemente, um total de $1.000 em depósitos está agora no sistema bancário. É por isso que a maior parte do dinheiro existente provém de empréstimos através de bancos de reserva fraccionada.

Eis o processo completo, passo a passo:

Passos para a criação de dinheiroapr 28

Numa perspetiva de multiplicador, se x for o rácio de reservas obrigatórias, 1/x é o multiplicador de depósitos simples. Refere-se aos depósitos máximos resultantes de $1 de depósitos recebidos pelo sector bancário. No nosso caso, este multiplicador é 1/10% = 10. A injeção de $100 no sector bancário leva a um total de $100 * 10 = $1.000 em depósitos. Trata-se basicamente de uma versão simplificada do multiplicador monetário, que mede o efeito multiplicador incorporando mais factores, como a moeda em circulação e a existência de reservas excedentárias.

Porque é que estamos a “criar” dinheiro através de empréstimos e dívidas?

Este processo de criação de dinheiro é vital para a economia. Quando os bancos estão dispostos a emprestar em tempos de prosperidade, assiste-se a uma expansão do crédito e à injeção de dinheiro na economia. Durante uma recessão, os bancos procuram emprestar menos para se protegerem dos incumprimentos, o que provoca uma contração do crédito e uma redução da oferta de moeda.

A disponibilidade dos bancos para conceder empréstimos é influenciada pelas políticas monetárias e fiscais contracíclicas utilizadas pelos bancos centrais e pelos governos de todo o mundo para contrariar este ciclo natural de expansão e contração do crédito. Durante os períodos de crescimento excessivo, os bancos centrais têm como objetivo contrair a oferta de moeda através do aumento das taxas de juro e dos rácios de reservas obrigatórias (e vice-versa quando há uma recessão).

No entanto, é de notar que o rácio de reservas obrigatórias tem sido menos importante no controlo do efeito da criação de moeda. Desde a crise financeira mundial de 2008, o Sistema da Reserva Federal, o banco central dos EUA, começou a pagar juros sobre as reservas detidas pelos bancos como parte da sua estratégia de manipulação das taxas de juro. Desde então, os bancos dos EUA acumularam enormes quantidades de reservas excedentárias. Além disso, os bancos tendem a estar condicionados por outros regulamentos bancários que exigem que detenham determinados montantes de capital quando efectuam empréstimos, pelo que normalmente detêm mais reservas do que as reservas mínimas.

Em março de 2020, a Reserva Federal suprimiu o rácio de reservas obrigatórias para os bancos, o que significa que é possível que os bancos não detenham quaisquer reservas quando concedem empréstimos. Aplicando o conceito de multiplicador, o montante máximo de dinheiro criado, teoricamente, vai até ao infinito à medida que o rácio se aproxima de zero. Na prática, porém, isso nunca acontece. Por outras palavras, o processo de criação de moeda é limitado por outras iniciativas monetárias, pelos requisitos de capital e pela tolerância ao risco do sistema bancário.

Hierarquia monetária

A hierarquia monetária é um conceito introduzido por Perry Mehrling, Professor de Economia na Universidade de Boston.

Em primeiro lugar, é necessário distinguir entre dinheiro e crédito: o dinheiro é um meio de liquidação final, enquanto o crédito é uma promessa de pagamento ou um meio de adiar a liquidação final.

Quando se deposita dinheiro num banco, trata-se de um crédito. O depósito bancário existe apenas como um saldo no livro de registo do banco, onde o banco promete que pagará ao depositante aquando do seu resgate. É um “eu devo-lhe” (IOU) do banco.

A partir do processo de criação de dinheiro acima descrito, sabemos que – à exceção do depósito inicial de dinheiro ($100), que não é um crédito – todo o dinheiro criado é uma cadeia de IOUs dos proprietários da dívida e dos seus bancos associados. As diferentes formas de moeda são inerentemente hierárquicas, com as notas de banco físicas no topo e outras formas de depósitos sucessivamente mais baixas, dependendo do seu grau de liquidez e risco.

Os riscos de depositar o seu dinheiro num banco.

Quando alguém deposita num banco, assume os riscos de liquidez e de crédito do banco. Se o banco entrar em incumprimento, é possível perder tudo. Embora os depósitos bancários estejam normalmente cobertos por um seguro de depósitos (por exemplo, o FDIC nos Estados Unidos ou o FSCS no Reino Unido), continuam a estar um nível abaixo das notas de banco físicas devido à diferença de liquidez e de risco.

Mais abaixo na hierarquia encontram-se outras formas de depósitos. Por exemplo, o dinheiro detido numa conta de corretagem é de qualidade inferior, uma vez que a corretora também detém normalmente dinheiro em bancos, acrescentando mais camadas entre o cliente e o acesso físico ao seu depósito. À medida que descemos na hierarquia, mais intermediários se envolvem, afectando a qualidade (liquidez e risco de crédito) da moeda. Por isso, há quem considere as notas de banco físicas como a forma mais segura de dinheiro.

A hierarquia expande-se e contrai-se. Em modo de expansão (por exemplo, quando a economia está a ir bem), o crédito torna-se disponível mesmo para mutuários marginais e a qualidade do crédito de risco é considerada mais elevada. Enquanto que em modo de contração, apenas os melhores mutuários (menos arriscados) podem aceder ao crédito.

A hierarquia do dinheiro e do créditoapr 28

Porque é que as pessoas não têm apenas notas de banco físicas.

Há algumas razões que levam algumas pessoas a preferir os depósitos bancários a guardar as notas debaixo da almofada:

  • Serviços complementares: Os bancos fornecem outros serviços, como juros de poupança, cartões de crédito e de débito, conversão cambial e serviços de câmbio de títulos, que são difíceis de aceder através de dinheiro físico.
  • Conveniência: Muitas das actividades económicas actuais são realizadas em linha e através de meios electrónicos, em vez de presencialmente.
  • Custo e segurança: A transferência e o armazenamento de grandes somas de dinheiro físico são dispendiosos e arriscados.

Uma combinação destas razões pode explicar o facto de algumas pessoas optarem por manter o seu dinheiro em depósitos bancários em vez de em numerário físico.

Mais informações sobre a essência do dinheiro

Para saber mais sobre os princípios básicos da macroeconomia, consulte os nossos artigos sobre a História da Moeda e as finanças descentralizadas como sistema financeiro alternativo.

Diligência devida e fazer a sua própria investigação

Todos os exemplos apresentados neste artigo têm um carácter meramente informativo. O utilizador não deve interpretar essas informações ou outros materiais como aconselhamento jurídico, fiscal, de investimento, financeiro ou outro. Nada aqui contido constituirá uma solicitação, recomendação, endosso ou oferta da Crypto.com para investir, comprar ou vender quaisquer moedas, tokens ou outros activos criptográficos. Os rendimentos da compra e venda de activos criptográficos podem estar sujeitos a impostos, incluindo o imposto sobre mais-valias, na sua jurisdição.

O desempenho passado não é uma garantia ou um indicador do desempenho futuro. O valor dos activos criptográficos pode aumentar ou diminuir, e pode perder a totalidade ou um montante substancial do seu preço de compra. Ao avaliar um ativo criptográfico, é essencial que faça a sua investigação e a devida diligência para fazer o melhor julgamento possível, uma vez que quaisquer compras serão da sua exclusiva responsabilidade.

Tags

economics

economy

markets

Money

Partilhar com amigos

Pronto para iniciar a sua jornada com a crypto?

Obtenha o seu guia passo-a-passo para criar uma conta na Crypto.com

Ao clicar no botão Começar, reconhece ter lido a Aviso de Privacidade do Crypto.com onde explicamos como utilizamos e protegemos os seus dados pessoais.
Mobile phone screen displaying total balance with Crypto.com App

Common Keywords: 

Ethereum / Dogecoin / Dapp / Tokens