A História do Dinheiro, Parte 2 – Da Fiat à Criptomoeda

Nesta segunda de uma série de duas partes sobre a história do dinheiro, exploramos o percurso da humanidade desde a utilização do ouro e do papel-moeda como moeda legal até à criptomoeda.

Jan 18, 2022
|

Artigo detalhado A história do dinheiro, da Fiat à moeda criptográfica

Introdução

Durante décadas, as moedas fiduciárias e indexadas ao ouro constituíram a espinha dorsal da economia mundial. Mas um sistema financeiro alternativo, também conhecido como finanças descentralizadas(DeFi), surgiu na sequência da criação da Bitcoin. Aqui, exploramos o percurso da humanidade desde a utilização do ouro e do papel-moeda como moeda legal até à criptomoeda.

Este artigo dá seguimento à Parte 1 da série “História da Moeda“, que explora as origens da moeda através da troca direta, do sistema de cunhagem primitivo e das primeiras notas de banco. Esta série pretende ajudar os leitores a compreender como surgiu o atual sistema monetário para que possam tomar decisões financeiras mais informadas.

Principais conclusões:

  • A moeda de mercadorias, a moeda representativa e a moeda fiduciária são os três tipos de moeda utilizados ao longo da história.
  • O padrão-ouro foi adotado por muitos países no final do séculoXIX, mas foi abandonado durante a Primeira Guerra Mundial.
  • O sistema de Bretton Woods dissolveu-se discretamente no séculoXX, e a moeda fiduciária tornou-se a forma dominante de dinheiro.
  • A flexibilização quantitativa foi apresentada como uma solução para a Grande Recessão de 2007, mas tem efeitos regressivos, como o aumento da desigualdade de rendimentos e de riqueza.
  • A Bitcoin surgiu do ambiente financeiro instável da década de 2010 e oferece muitas vantagens únicas como meio de troca, nomeadamente a sua natureza descentralizada.

Visão geral

O que é a moeda de mercadorias, a moeda representativa e a moeda fiduciária?

A moeda de mercadorias deriva o seu valor da mercadoria de que é feita. É constituída por objectos com valor ou utilização em si mesmos (valor intrínseco), bem como pelo seu valor na compra de bens.

A moeda representativa é qualquer meio de troca, frequentemente impresso em papel, que representa algo de valor, mas que tem pouco ou nenhum valor próprio. Ao contrário de algumas formas de moeda fiduciária, que podem não ter qualquer suporte de mercadorias, a moeda representativa tem de ter algo de valor intrínseco que suporte o valor facial.

Imagem2
O dólar americano era lastreado em ouro, o que o tornava uma moeda representativa na altura

A moeda fiduciária é uma moeda sem valor intrínseco que foi estabelecida como moeda, frequentemente por uma entidade governamental. Só tem valor porque um governo a mantém ou porque as partes envolvidas na troca concordam com o seu valor.

Imagem6
Exemplos de moeda fiduciária

Eis um resumo dos diferentes dinheiros que foram utilizados na história:

Imagem10

A arte moderna do dinheiro

O dinheiro tornou-se gradualmente mais abstrato. As suas primeiras formas, como os artigos agrícolas, eram bens tangíveis que podiam ser consumidos. Posteriormente, a moeda metálica foi substituída por moedas de metal, em que os materiais subjacentes (ou seja, o metal) eram bens de capital (ou seja, utilizados na produção de equipamento).

A introdução das notas de banco marcou a transição da moeda de mercadorias para a moeda representativa, uma vez que estas representam apenas uma ligação às moedas metálicas, mas não têm valor intrínseco. Após o abandono do padrão-ouro, as notas de banco tornaram-se moeda fiduciária, que não está indexada nem possui valor intrínseco.

O Padrão Ouro

Como as notas representam apenas uma ligação às moedas metálicas subjacentes, o seu valor intrínseco continua a ser determinado pela procura e oferta do metal subjacente. Alguns metais são facilmente extraídos (por exemplo, o cobre), pelo que perdem gradualmente o seu estatuto de moeda ideal ao longo do tempo. Assim, restam dois metais como dinheiro ideal, uma vez que são extraídos com dificuldade: a prata e o ouro. Os padrões ouro e prata são sistemas monetários em que a unidade de conta económica padrão se baseia numa quantidade fixa de ouro ou prata.

Uma história volátil: A Ascensão e Queda do Padrão Ouro

De 1870 a 1939, os acordos monetários internacionais foram dominados por uma história: a ascensão e queda do regime do padrão-ouro.

Em 1870, cerca de 15% dos países estavam sob o padrão-ouro, aumentando para cerca de 70% em 1913. Este período foi a primeira era da globalização, com o aumento dos fluxos comerciais, de capitais e de pessoas entre países. Uma taxa de câmbio fixa facilita o comércio, pelo que cada vez mais países começaram a adotar o mesmo padrão de medida.

Podemos interrogar-nos: porquê indexar ao ouro? Na década de 1870, a maioria dos países ainda utilizava o padrão-prata. Mas um efeito de rede começou a ocorrer no final do séculoXIX, quando a superpotência mundial da época, a Grã-Bretanha, utilizava o padrão-ouro; as suas colónias seguiram o exemplo. Cada vez mais países começaram a adotar o padrão-ouro, uma vez que este lhes permitia negociar com a Grã-Bretanha e as suas colónias a custos mais baixos. Eventualmente, tornou-se uma norma global.

No entanto, nem todos os países que adoptaram o padrão-ouro o consideraram benéfico, especialmente durante a deflação e as recessões. Quando a Primeira Guerra Mundial começou, os países participantes necessitavam de uma forma de se financiarem, mas o padrão-ouro proibia-os de o fazer, porque a impressão de mais dinheiro exigia uma propriedade proporcional ao ouro. Muitos países decidiram imprimir mais dinheiro, apesar de não terem reservas de ouro suficientes, fazendo com que as suas moedas flutuassem livremente entre 1914 e a década de 1920.

A Lei do Padrão Ouro de 1925

No final da década de 1920 e início da década de 1930, registou-se um regresso ao padrão-ouro, em resultado do British Gold Standard Act de 1925. Muitos outros países seguiram a Grã-Bretanha. No entanto, o regresso do padrão-ouro conduziu à recessão, ao desemprego e à deflação nestas economias. Esta situação manteve-se até que a Grande Depressão (1929-1939) obrigou os países a abandonar o padrão-ouro.

Em 19 de setembro de 1931, os ataques especulativos à libra obrigaram a Grã-Bretanha a abandonar o padrão-ouro. Os empréstimos dos bancos centrais americano e francês, no valor de 50 milhões de libras, foram insuficientes e esgotaram-se numa questão de semanas, devido à grande saída de ouro através do Atlântico. Os britânicos beneficiaram com esta saída: Podiam agora utilizar a política monetária para estimular a economia. A Austrália e a Nova Zelândia já tinham abandonado a norma e o Canadá não tardou a fazer o mesmo.

Os países que mantiveram o padrão-ouro (por exemplo, a França e a Suíça) pagaram um preço elevado. Em 1929, em comparação com os países que mantiveram o ouro, os países que flutuaram tiveram uma produção 26% superior em 1935, e os países que adoptaram controlos de capitais tiveram uma produção 21% superior.

Que Trilema: A Trindade Impossível

A “trindade impossível”, também conhecida como o “trilema impossível” ou “trilema de Mundell-Fleming”, é um conceito em economia internacional que afirma que é impossível manter simultaneamente as três condições seguintes:

  • Uma taxa de câmbio fixa
  • Livre circulação de capitais
  • Uma política monetária independente

Trata-se tanto de uma hipótese baseada na condição de paridade de taxas de juro não coberta como de conclusões de estudos empíricos, em que os governos que tentaram prosseguir simultaneamente os três objectivos fracassaram. O conceito foi desenvolvido independentemente por John Marcus Fleming em 1962 e por Robert Alexander Mundell em diferentes artigos entre 1960 e 1963.

A Trindade da Impossibilidade

Escolher os lados

De 1870 a 1917, os países que adoptaram o padrão-ouro escolheram o lado A (ver diagrama acima), onde tinham uma taxa de câmbio fixa e um fluxo de capitais livre para facilitar o comércio internacional. Após 1931, a maioria dos países abandonou o padrão-ouro e passou a estar indexada ao dólar americano, à libra esterlina ou ao franco francês (ou seja, lado A), seguindo o sistema de Bretton Woods (ou seja, lado C) ou livremente flutuante (isto é, lado B).

É possível residir algures no meio, como“flutuadores sujos” ou cavilhas com flexibilidade limitada. De um modo geral, as políticas monetárias podem ser escolhidas no lado A, B ou C, bem como algumas escolhas mistas entre elas.

O sistema de Bretton Woods

O sistema monetário internacional dos anos 30 e 40 era caótico. Perto do fim da Segunda Guerra Mundial, os responsáveis pela política económica dos aliados reuniram-se em Bretton Woods, nos Estados Unidos, para tentar garantir que a economia do pós-guerra se saísse melhor. Os arquitectos da ordem do pós-guerra, nomeadamente Harry Dexter White e John Maynard Keynes, construíram um sistema que preservava um princípio fundamental do regime do padrão-ouro: as taxas fixas. Mas rejeitou a ordem ao impor o controlo de capitais, optando assim pela vertente C.

O sistema de Bretton Woods

O “trilema” foi resolvido a favor da estabilidade da taxa de câmbio para incentivar a reconstrução do comércio no período pós-guerra. Os países estariam indexados ao dólar americano, tornando-o a moeda central e os Estados Unidos o país central. O dólar americano estava, por sua vez, indexado ao ouro a um preço fixo, um último vestígio do padrão-ouro.

No entanto, a imposição de um controlo de capitais é difícil. Na década de 1960, os controlos eram pouco eficazes e os investidores encontraram formas de os contornar, transferindo dinheiro dos depósitos em moeda local para depósitos em moeda estrangeira. Alguns utilizaram mesmo truques contabilísticos para transferir dinheiro de uma moeda para outra.

O fim da paridade do dólar

Com o aumento da mobilidade dos capitais e o fracasso dos controlos, os países ligados ao dólar perderam a sua autonomia em matéria de política monetária e começaram a repensar a sua ligação ao dólar. Como era cada vez mais evidente que a política dos EUA estava orientada apenas para os seus interesses, o compromisso de converter dólares em ouro deixou de existir. Alguns países começaram a desvalorizar frequentemente a sua moeda ou mesmo a cancelar a ligação ao dólar americano.

O sistema de Bretton Woods dissolveu-se silenciosamente. Desde então, o sistema monetário internacional transitou para a era da moeda fiduciária.

Qual é o valor da moeda fiduciária?

A moeda fiduciária é estabelecida como dinheiro por regulamentação governamental e não tem valor intrínseco; tem valor apenas porque um governo a mantém ou porque as partes envolvidas na troca concordam com o seu valor.

A moeda fiduciária começou a dominar no séculoXX. Desde a dissociação do dólar americano do ouro por Richard Nixon em 1971, tem sido utilizado a nível mundial um sistema de moedas fiduciárias nacionais.

A moeda fiduciária pode ser definida como:

  • Qualquer moeda declarada por um governo como tendo curso legal.
  • Dinheiro emitido pelo Estado que não é convertível por lei em qualquer outra coisa, nem tem valor fixo em termos de qualquer padrão objetivo.
  • Dinheiro intrinsecamente sem valor utilizado como dinheiro devido a um decreto governamental.
  • Um objeto intrinsecamente inútil que serve como meio de troca (também conhecido como dinheiro fiduciário).

A moeda fiduciária não surgiu repentinamente, mas gradualmente através da evolução do sistema monetário. Os países tentaram ligar-se ao padrão-ouro, mas acabaram por falhar porque precisavam de flexibilidade na regulação da economia. Em última análise, o custo da insolvência da soberania ultrapassou os inconvenientes de deixar o governo controlar a massa monetária.

No entanto, permitir que o governo imprima dinheiro novo cria outro problema: o imposto sobre a inflação. Por exemplo, suponhamos que custa um dólar comprar uma maçã. Se o governo imprimir mais um dólar, a oferta total de dólares no mercado passa a ser de dois. Agora, um dólar só dá para comprar meia maçã. A emissão de nova moeda é considerada um imposto sobre os detentores da moeda existente.

Agitando o Fiat: A crise do crédito hipotecário de alto risco e a flexibilização quantitativa

A crise do crédito hipotecário de alto risco nos EUA foi uma crise financeira a nível nacional que contribuiu significativamente para a recessão global que teve início em 2007. Foi desencadeada por uma grande descida dos preços das casas após o colapso de uma bolha imobiliária, que levou a incumprimentos hipotecários, execuções hipotecárias e à desvalorização dos títulos relacionados com a habitação.

A bolha imobiliária que precedeu a crise foi financiada com títulos garantidos por hipotecas (MBS) e obrigações de dívida colateralizadas (CDO), que inicialmente ofereciam taxas de juro mais elevadas (ou seja, melhores rendimentos) do que os títulos do Estado, juntamente com classificações de risco atractivas por parte das agências de notação. Os elementos da crise começaram a tornar-se evidentes em 2007 e várias instituições financeiras importantes entraram em colapso em setembro de 2008, com perturbações significativas no fluxo de crédito às empresas e aos consumidores.

A flexibilização quantitativa como bala de prata?

A solução dos EUA para a recessão foi a “flexibilização quantitativa (QE)“, que é uma política monetária através da qual um banco central compra quantidades pré-determinadas de obrigações do Estado ou outros activos financeiros para injetar liquidez diretamente na economia. Ao adquirirem determinados montantes de activos financeiros aos bancos comerciais e a outras instituições financeiras, os bancos centrais podem aumentar os preços desses activos financeiros e baixar o seu rendimento, aumentando simultaneamente a oferta de moeda.

Em março de 2009, a Reserva Federal tinha recomprado 1 bilião de dólares de dívida bancária, títulos garantidos por hipotecas e títulos do tesouro, e todo o dinheiro utilizado para recomprar estes activos estava a fluir para o mercado. Este montante atingiu um pico de 1,35 biliões de dólares em junho de 2010. Cinco meses depois, a Fed anunciou uma segunda ronda de flexibilização quantitativa, comprando 600 mil milhões de dólares em títulos do Tesouro até ao final do segundo trimestre de 2011. O mercado chamou-lhe o “QE2”.

O “QE3” foi anunciado em 13 de setembro de 2012, quando a Reserva Federal decidiu lançar um novo programa de compra de obrigações de 40 mil milhões de dólares por mês, aberto, de títulos garantidos por hipotecas de agências. O balanço aumentou rapidamente após a QE, passando de 900 mil milhões de dólares para 8,4 biliões de dólares em maio de 2023. A diferença é toda a liquidez (ou seja, a massa monetária) que foi injectada na economia até hoje.

Flexibilização quantitativa
Aumento das reservas do Fed no âmbito da flexibilização quantitativa

No entanto, o QE deu origem a muitos problemas.

Uma questão notável é a desigualdade de rendimentos e de riqueza. A primeira-ministra britânica Theresa May criticou abertamente o QE em julho de 2016 pelos seus efeitos regressivos: “A política monetária – sob a forma de taxas de juro super baixas e de flexibilização quantitativa – ajudou aqueles que estão na escada da propriedade à custa daqueles que não têm dinheiro para ter a sua própria casa”.

Em 2012, um relatório do Banco de Inglaterra mostrou que as suas políticas de flexibilização quantitativa tinham beneficiado principalmente os ricos e que 40% desses ganhos foram para os 5% mais ricos das famílias britânicas.

Finalmente: A chegada do Bitcoin

No meio da turbulência económica, a Bitcoin foi criada em 2008 por Satoshi Nakamoto, que votou contra a confiança nas moedas dos bancos centrais no Livro Branco:

“O principal problema da moeda convencional é a confiança que é necessária para a fazer funcionar. É preciso confiar no banco central para não desvalorizar a moeda, mas a história das moedas fiduciárias está cheia de quebras dessa confiança. É preciso confiar nos bancos para guardarem o nosso dinheiro e o transferirem eletronicamente, mas eles emprestam-no em ondas de bolhas de crédito, sem uma fração de reserva. Temos de confiar-lhes a nossa privacidade, confiar-lhes que não deixarão que os ladrões de identidade esvaziem as nossas contas”.

-Satoshi Nakamoto

É de notar que a Bitcoin não é a primeira tentativa de moeda digital. Antes da Bitcoin, havia a DigiCash (fundada em 1989 pelo criptógrafo David Chaum) e a e-gold (fundada em 1996 pelo oncologista Douglas Jackson e pelo advogado Barry Downey). No entanto, ambos os projectos falharam devido à centralização.

O Bitcoin é o dinheiro ideal?

Usando os critérios aplicados acima, aqui está uma avaliação da eficácia do Bitcoin como dinheiro:

Moeda fiduciária vs bitcoin

Com base nesta análise, o Bitcoin é um candidato mais ideal para ser um meio de comércio do que a moeda fiduciária. Embora a moeda fiduciária seja mais geralmente aceite e tenha um valor estável, estas medidas são subjectivas e podem mudar ao longo do tempo.

A Bitcoin tem, no entanto, algumas limitações:

  • Finalidade lenta (é necessária pelo menos uma hora para confirmar as transacções)
  • Rendimento limitado
  • Requer conhecimentos sofisticados dos seus utilizadores (por exemplo, gestão de chaves privadas)

Estes défices não existem para as formas físicas de moeda. Por conseguinte, a resolução do problema da escalabilidade da cadeia de blocos é uma condição prévia para a adoção em massa da Bitcoin e de outras criptomoedas nas transacções diárias.

Para uma visão detalhada dos aspectos técnicos da Bitcoin, leia como funcionam as transacções de Bitcoin.

Como posicionar o Bitcoin no sistema financeiro

A Bitcoin não é dinheiro-mercadoria (não tem valor intrínseco), nem dinheiro representativo (não está indexado a algo com valor intrínseco), nem dinheiro fiduciário (não é apoiado pelo governo). É um tipo de dinheiro próprio, a que chamamos dinheiro descentralizado.

Como posicionar a bitcoin no sistema financeiro

Como salientou Saifedean Ammous no seu livro O padrão Bitcoin: “Para qualquer outro dinheiro, à medida que o seu valor aumenta, aqueles que o podem produzir começarão a produzir mais.” O valor do Bitcoin é determinado unicamente pelo equilíbrio do mercado entre aqueles que o transaccionam. Isto está de acordo com o teoria subjectiva do valor, que afirma:

“O valor de um bem não é determinado por qualquer propriedade inerente ao bem, nem pela quantidade de trabalho necessária para produzir o bem, mas o valor é determinado pela importância que um indivíduo ativo atribui a um bem para a realização dos seus fins desejados.”

A natureza descentralizada do Bitcoin garante que nenhuma entidade única tem o poder de criar mais do mesmo a partir do nada. Assim, outra caraterística importante é o facto de a escassez da Bitcoin ser garantida pela descentralização.

A Bitcoin preenche a maioria das qualidades do dinheiro ideal e tem as bases para perturbar o sistema monetário fiduciário centralizado que tem dominado até agora. Será necessário mais tempo para se tornar um verdadeiro meio de troca, mas com utilizadores globais de criptomoedas atingindo 425 milhões no final de 2022 – um aumento de 39% desde o início do ano – A Bitcoin e as altcoins estão preparadas para estar no centro da procura contínua da humanidade por melhor dinheiro nas próximas décadas.

Interessado em juntar-se à comunidade da criptomoeda? Consulte este artigo da Universidade para obter guias passo a passo sobre a compra de Bitcoin e mais de 250 moedas na aplicação Crypto.com.

Diligência devida e fazer a sua própria investigação

Todos os exemplos apresentados neste artigo têm um carácter meramente informativo. O utilizador não deve interpretar essas informações ou outros materiais como aconselhamento jurídico, fiscal, de investimento, financeiro ou outro. Nada contido neste documento deve constituir uma solicitação, recomendação, endosso ou oferta da Crypto.com para investir, comprar ou vender quaisquer activos criptográficos. Os rendimentos da compra e venda de activos criptográficos podem estar sujeitos a impostos, incluindo o imposto sobre mais-valias, na sua jurisdição. Quaisquer descrições dos produtos ou características da Crypto.com são meramente para fins ilustrativos e não constituem um endosso, convite ou solicitação.

Para além disso, o Crypto.com Exchange e os produtos aqui descritos são distintos da aplicação principal do Crypto.com e a disponibilidade de produtos e serviços no Crypto.com Exchange está sujeita a limites jurisdicionais. Antes de aceder à Bolsa Crypto.com, consulte a seguinte hiperligação e certifique-se de que não se encontra em nenhuma jurisdição com restrições geográficas para a negociação à vista.

O desempenho passado não é uma garantia ou um indicador do desempenho futuro. O valor dos activos digitais pode aumentar ou diminuir e pode perder a totalidade ou um montante substancial do seu preço de compra. Ao avaliar um ativo digital, é essencial que faça a sua própria investigação e diligência para fazer o melhor julgamento possível, uma vez que qualquer compra será da sua exclusiva responsabilidade.

Tags

Crypto101

cryptocurrencies

Finance

history

Market

Partilhar com amigos

Pronto para iniciar a sua jornada com a crypto?

Obtenha o seu guia passo-a-passo para criar uma conta na Crypto.com

Ao clicar no botão Começar, reconhece ter lido a Aviso de Privacidade do Crypto.com onde explicamos como utilizamos e protegemos os seus dados pessoais.
Mobile phone screen displaying total balance with Crypto.com App

Common Keywords: 

Ethereum / Dogecoin / Dapp / Tokens