A História da Moeda, Parte 1 – Da troca direta à moeda

Uma breve lição de história sobre como a sociedade evoluiu da troca direta para a moeda – e conhecimentos fundamentais para compreender a evolução da humanidade para a DeFi.

Feb 05, 2024
|

Principais conclusões:

  • Para entender como surgiu a criptomoeda, é essencial mergulhar na evolução do dinheiro ao longo da história.
  • A permuta é a forma original de comércio, em que os bens e serviços são diretamente trocados sem um meio de troca.
  • As mercadorias com grande utilidade e fiabilidade, como o gado e os produtos vegetais, foram as primeiras formas de dinheiro.
  • Um meio de troca ideal deve ter qualidades como a aceitabilidade, a portabilidade, a durabilidade, a uniformidade, a divisibilidade, a escassez, o reconhecimento e a estabilidade do valor.
  • As notas modernas baseiam-se num consenso social e jurídico para determinar o seu valor.

Introdução

Para compreender o aparecimento da Bitcoin e o funcionamento do mercado das criptomoedas, é necessário conhecer a história do dinheiro. Porque é que os seres humanos passaram da troca direta para o dinheiro-mercadoria? O que é o padrão-ouro e como é que chegámos à moeda fiduciária e, eventualmente, à moeda criptográfica? Esta série de duas partes explora as origens do dinheiro e conta a história até à chegada da moeda moderna, a base do nosso atual sistema financeiro.

A história da moeda - Da troca direta à moeda

Uma vaca por milho: Dinheiro pré-histórico e troca direta

A troca direta é considerada a forma original de comércio. Neste sistema, os participantes trocam diretamente bens ou serviços por outros bens ou serviços sem utilizar um meio de troca, como a moeda.

A troca direta não é escalável.

À medida que uma economia cresce, os indivíduos tornam-se mais especializados na produção de determinados bens e torna-se mais difícil encontrar contrapartes para trocas directas. A única forma de contornar esta situação é através da troca indireta; por outras palavras: um meio de troca.

Durante a Revolução Neolítica, a sociedade humana transitou da caça para a agricultura. A população em expansão estimulou o comércio e a necessidade de um meio de troca. As mercadorias com maior capacidade de reutilização e liquidez tornaram-se os objectos mais adequados para o comércio. Nas sociedades agrícolas, os produtos de base, como o gado e os produtos vegetais, destacavam-se como meios ideais de comércio.

No entanto, a pecuária e os produtos vegetais têm défices como substitutos do dinheiro.

Em primeiro lugar, os produtos agrícolas são perecíveis. As frutas, por exemplo, só podem ser conservadas durante um mês. Em segundo lugar, não são divisíveis. É impossível dividir o gado, por exemplo, mas uma cabeça de gado é valiosa e pode ser trocada por vários artigos.

Como resultado, os seres humanos adoptaram gradualmente meios mais duráveis e divisíveis para o dinheiro, incluindo, mas não se limitando a, conchas do mar, pedras trabalhadas e sais.

O que torna um meio ideal para o comércio?

Os economistas modernos propuseram as seguintes qualidades como ideais para os meios de comércio:

  • Aceitabilidade: Amplamente aceite para efeitos de liquidez
  • Portabilidade: Fácil de transportar
  • Durabilidade: Capaz de resistir ao desgaste
  • Uniformidade: Tem uma forma intermutável
  • Divisibilidade: Divisível em denominações mais pequenas
  • Escassez: Escassa, e a oferta não pode ser facilmente inflacionada
  • Reconhecibilidade: Facilmente distinguível
  • Valor estável : Valor estável para transacções diárias

Comparemos os primeiros exemplos com base nos critérios acima referidos:

1000 a.C.: Aparecimento da moeda normalizada

A forma mais antiga de moeda metálica foi criada por volta de 1000 a.C. na China, durante a dinastia Zhou. Apresentava-se sob a forma de pequenas facas e pás de bronze. As primeiras moedas fabricadas por um governo parecem ter surgido separadamente na Índia, na China e em cidades em redor do Mar Egeu durante o século VII a.C.

O metal tem muitas propriedades ideais em relação a outros meios de troca, como os produtos agrícolas ou as conchas do mar. O processo de cunhagem exige uma mão de obra altamente qualificada, o que torna as moedas metálicas mais escassas e, por conseguinte, mais adequadas para servir de moeda.

As moedas mais antigas do mundo ocidental estão principalmente associadas à Idade do Ferro na Anatólia, no final do século VII a.C., e ao Reino da Lídia. Durante o período helenístico, a cultura grega espalhou-se por grande parte do mundo conhecido. Com ela, os comerciantes difundiram as moedas gregas da Europa para o Médio Oriente.

No período clássico, as moedas gregas atingiram um elevado nível de qualidade técnica e estética. As cidades maiores produziam uma série de moedas de prata fina e de ouro, geralmente com um retrato do seu deus ou deusa patrono numa das faces e um símbolo da cidade na outra. Começaram também a aparecer inscrições, normalmente com o nome da cidade.

Notas de banco: Mais leves para transportar

Durante a dinastia Tang (618-907 d.C.), os comerciantes e grossistas chineses queriam evitar a utilização de moedas de cobre em grandes transacções comerciais. A ideia brilhante que tiveram foi a de emitir títulos de crédito, em que uma parte se comprometia a pagar a outra num determinado prazo.

O papel-moeda foi introduzido durante a dinastia Song (960-1279 d.C.) e utilizado juntamente com as moedas. O governo depressa se apercebeu das vantagens económicas da impressão de papel-moeda e concedeu direitos de monopólio a lojas de depósito seleccionadas para emitirem estes certificados de depósito. No início do séculoXII, o número de notas emitidas num único ano ascendia a 26 milhões de cordões de moedas de dinheiro.

No séculoXIII, o papel-moeda tornou-se conhecido na Europa através dos relatos de viajantes, como Marco Polo e Guilherme de Rubruck. A utilização de papel-moeda durante a dinastia Yuan foi objeto de um capítulo das Viagens de Marco Polo intitulado “Como o Grande Kaan faz com que a casca das árvores, transformada em algo semelhante a papel, passe por dinheiro em todo o seu país”.

Na Itália medieval e na Flandres, os comerciantes de dinheiro começaram a utilizar notas promissórias devido à insegurança e à impraticabilidade de transportar grandes somas de dinheiro a longas distâncias. Inicialmente, as notas eram registadas pessoalmente, mas rapidamente se transformaram numa ordem escrita para pagar o montante a quem o tivesse na sua posse. Estas notas podem ser consideradas como um antecessor das notas de banco normais.

O que é que torna as notas valiosas?

A validade da nota moderna assenta num consenso social e jurídico.

O valor de uma moeda de ouro é simplesmente um reflexo do mecanismo de oferta e procura de uma sociedade que troca bens num mercado livre, em vez de resultar de qualquer propriedade intrínseca do metal. No final do séculoXVII, esta nova perspetiva concetual levou à emissão de notas de banco. O economista Nicholas Barbon escreveu que o dinheiro “era um valor imaginário criado por uma lei para a conveniência da troca”.

O primeiro banco a iniciar a emissão permanente de notas de banco foi o Banco de Inglaterra. Criado em 1694 para angariar fundos para financiar a guerra contra a França, o banco começou a emitir notas em 1695 com a promessa de pagar ao portador o valor da nota à vista. Inicialmente, eram manuscritos com um montante exato e dados em depósito ou a título de empréstimo. A emissão de notas de denominação fixa foi gradual e, em 1745, estavam a ser impressas notas normalizadas que variavam entre 20 e 1 000 libras. As notas totalmente impressas que não exigiam o nome do beneficiário e a assinatura do caixa apareceram pela primeira vez em 1855.

Da troca direta ao Bitcoin

A próxima fase da evolução do dinheiro envolve a ascensão da moeda fiduciária indexada ao ouro e o surgimento da criptomoeda. Saiba mais sobre os acontecimentos que estiveram na origem desta transição e muito mais na Parte 2 da nossa série sobre a História da Moeda.

Diligência devida e fazer a sua própria investigação

Todos os exemplos apresentados neste artigo têm um carácter meramente informativo. O utilizador não deve interpretar essas informações ou outros materiais como aconselhamento jurídico, fiscal, de investimento, financeiro ou outro. Nada contido neste documento deve constituir uma solicitação, recomendação, endosso ou oferta da Crypto.com para investir, comprar ou vender quaisquer activos criptográficos. Os rendimentos da compra e venda de activos criptográficos podem estar sujeitos a impostos, incluindo o imposto sobre mais-valias, na sua jurisdição. Quaisquer descrições dos produtos ou características da Crypto.com são meramente para fins ilustrativos e não constituem um endosso, convite ou solicitação.

Para além disso, o Crypto.com Exchange e os produtos aqui descritos são distintos da aplicação principal do Crypto.com e a disponibilidade de produtos e serviços no Crypto.com Exchange está sujeita a limites jurisdicionais. Antes de aceder à Bolsa Crypto.com, consulte a seguinte hiperligação e certifique-se de que não se encontra em nenhuma jurisdição com restrições geográficas para a negociação à vista.

O desempenho passado não é uma garantia ou um indicador do desempenho futuro. O valor dos activos digitais pode aumentar ou diminuir e pode perder a totalidade ou um montante substancial do seu preço de compra. Ao avaliar um ativo digital, é essencial que faça a sua própria investigação e diligência para fazer o melhor julgamento possível, uma vez que qualquer compra será da sua exclusiva responsabilidade.

Tags

Money

Partilhar com amigos

Pronto para iniciar a sua jornada com a crypto?

Obtenha o seu guia passo-a-passo para criar uma conta na Crypto.com

Ao clicar no botão Começar, reconhece ter lido a Aviso de Privacidade do Crypto.com onde explicamos como utilizamos e protegemos os seus dados pessoais.
Mobile phone screen displaying total balance with Crypto.com App

Common Keywords: 

Ethereum / Dogecoin / Dapp / Tokens